Por que ainda não temos órgãos funcionais bioimpressos?

November 13, 2018

Avanços na medicina como tecnologias inovadoras, inteligência artificial auxiliando a saúde, métodos analíticos químicos, físicos e biológicos revolucionários, e nós ainda não temos órgãos bioimpressos funcionais. 

 

A bioimpressão é uma tecnologia inovadora com grande potencial na medicina, capaz de organizar automaticamente células, biomoléculas indutoras e materiais (biomateriais, materiais sintéticos biocompatíveis e/ou biodegradáveis). Entretanto, muitos desafios precisam ser analisados e interpretados com cuidado para avançar de forma benigna e funcional.

 

 

Será que "só" isso basta? Será que um equipamento automatizado, capaz de posicionar componentes biológicos e biocompatíveis, é o bastante?  

Claro que não! 

 

Áreas, métodos, processos e especialidades presentes na área de engenharia tecidual. As imagens dos seres humanos representam os diversos tecidos e aglomerados com funções específicas produzidos por bioimpressão ou impressão 3D, a nível de pesquisa (imagem criada por Janaina Dernowsek)  

 

A bioimpressão e a biofabricação, áreas pertencentes à engenharia tecidual e medicina regenerativa, necessitam de um grupo interdisciplinar para compreender de forma efetiva uma  de lacunas. Muitas áreas acabam se especializando em determinados assuntos e perdem a oportunidade de abranger um leque de soluções interdisciplinares para desenvolver métodos e tecnologias inovadoras.

 

A produção de órgãos funcionais - no futuro - pela bioimpressão será muito importante para a saúde humana, se evoluir de forma transdisciplinar, ou seja, o desenvolvimento de uma nova compreensão das lacunas, articulando estratégias que passam entre, além e através dos  conhecimentos, numa busca de entendimento da complexidade como um todo. 

 

Hoje conhecemos a bioimpressão como uma área emergente da manufatura aditiva, capaz de "imprimir" componentes vivos e sintéticos de forma organizada e precisa. Porém, sabemos que a sinalização molecular intra e extracelular, o desenvolvimento de hidrogéis para o processamento, a utilização adequada de biomoléculas indutoras de migração, proliferação e diferenciação, além de outros parâmetros, são primordiais para o avanço.

 

Será que uma imagem de tomografia ou ressonância possui todas essas informações para produzir o BioCAD - projeto - de um órgão?

Claro que não!

 

O potencial da bioimpressão - atualmente - está muito aquém da tecnologia necessária para construir um órgão funcional. No futuro, os processos e equipamentos estarão tão otimizados que até o nome "bioimpressão" poderá sofrer alterações.

 

O mais importante é continuar com o objetivo comum da área, que é construir tecidos e órgãos funcionais para assistir a saúde da população mundial.   

 

 

Quer saber mais sobre o bioimpressão, se inscreva no nosso FÓRUM DE DISCUSSÃO e participe dos nossos debates.  CLIQUE AQUI

 

Como citar essa matéria:

DERNOWSEK, JA . Por que ainda não temos órgãos funcionais bioimpressos?. Blog Biofabricacao. São Paulo, 09 mar. 2019. Disponível em: <https://www.biofabricacao.com/single-post/2018/11/13/Por-que-ainda-n%C3%A3o-temos-%C3%B3rg%C3%A3os-funcionais-bioimpressos-ou-biofabricados> Acesso em: 9 mar. 2019.

 

 

 

 

 

 

 

 

Gosta da área de Bioimpressão?

Não perca os cursos exclusivos da BioEdTech, focados diretamente nos desafios presentes da área.

Clique aqui para saber mais sobre os cursos!

 

Janaina Dernowsek, Ph.D.

Bióloga Geneticista e Pesquisadora na área de Biofabricação e Bioimpressão de Tecidos.

Pesquisadora associada ao Centro de Tecnologia da Informação Renato Archer, INCT - Regenera e UNIFESP. Idealizadora dos projetos BioEdTech e Bio3Data para a Bioimpressão de tecidos. Desenvolvedora do site e do blog www.biofabricacao.com

Saiba mais aqui!

 

 

 

 

 

 

 

 

Share on Facebook
Share on Twitter
Share on Linkedin
Share on Google
Curta esse post
Please reload

Posts Recentes
Please reload

BI